Vacinas

Você está aqui:

As vacinas são substâncias constituídas por agentes patogênicos (vírus ou bactérias), vivos ou mortos, ou seus derivados. Elas estimulam o sistema imune a produzir anticorpos (proteínas que atuam na defesa do organismo), os quais atuam contra os agentes patogênicos causadores de infecções. As vacinas são seguras e causam poucas reações adversas, sendo essas, geralmente, leves e de curta duração. Trata-se da principal forma de prevenção de inúmeras doenças.

Acesse também: Imunidade: saiba mais sobre o mecanismo de defesa dos organismos!

Como agem as vacinas?

Quando um indivíduo entra em contato pela primeira vez com um antígeno (substância estranha), o organismo inicia a produção de anticorpos para combatê-lo, no entanto, esse processo é demorado e o indivíduo acaba por desenvolver a doença causada por aquele antígeno.

As vacinas são a principal forma de prevenção contra inúmeras doenças.
As vacinas são a principal forma de prevenção contra inúmeras doenças.

As vacinas atuam por meio do desenvolvimento da chamada “memória imunológica”. A introdução do agente patogênico (morto ou enfraquecido) ou seus derivados no organismo estimula o sistema imune a produzir anticorpos. Futuramente, quando o indivíduo infectar-se com aquele agente, o organismo produzirá uma resposta imunológica de forma mais rápida para destruí-lo.

Veja também: Vacina e soro – diferenças entre esses agentes imunizadores

Reações adversas e contraindicações das vacinas

Embora algumas vacinas possam desencadear algumas reações adversas, como dor no local da aplicação, mal-estar e febre, as vacinas são bastante seguras. As reações adversas, geralmente, apresentam-se leves e de curta duração.

É importante destacar também que as vacinas não são responsáveis pelo desenvolvimento de transtornos, como o autismo.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

A princípio, vacinas contendo vírus ou bactérias atenuados não devem ser aplicados em indivíduos que apresentam imunodeficiência congênita ou adquirida, neoplasia maligna, estejam em tratamento com corticosteroides em esquemas imunodepressores ou submetidos a outras terapias imunodepressoras.

Algumas vacinas podem apresentam contraindicações específicas, que devem ser comunicadas previamente ao ato da vacinação. Além disso, é importante destacar que, em alguns casos, a vacinação pode ser adiada, como quando o indivíduo apresenta doenças agudas febris graves.

Importância da vacinação

As vacinas são a principal forma de prevenção contra diversas doenças. Assim, elas não protegem apenas o indivíduo que foi imunizado, mas toda a comunidade, pois aquele indivíduo, ao não adoecer, também não se torna vetor de uma doença, transmitindo-a às demais pessoas.

Após o sarampo ter sido erradicado das Américas, novos casos começaram a surgir, causando, inclusive, óbitos.
Após o sarampo ter sido erradicado das Américas, novos casos começaram a surgir, causando, inclusive, óbitos.

Quanto maior a quantidade de pessoas imunizadas, maior a chance de uma doença se desenvolver na comunidade. Muitas doenças já foram erradicadas graças à vacinação, como a paralisia infantil, erradicada no Brasil desde o ano de 1989. No entanto, a falta de vacinação faz com que muitas doenças voltem a circular, como é o caso do sarampo, que havia sido erradicado das Américas no ano de 2016 e cujo vírus causador voltou a circular no país em 2018, gerando novos casos da doença e, inclusive, mortes.

Leia também: Doenças causadas por bactérias

Vacinação no Brasil

As primeiras vacinas foram descobertas há mais de 200 anos. A vacinação no Brasil iniciou-se em 1904, quando o então diretor-geral de Saúde Pública, Oswaldo Cruz, diante de um surto de varíola, iniciou campanhas de saneamento e imunização, na tentativa de buscar imunizar toda a população.

Atualmente, o país possui um Programa Nacional de Imunizações com um calendário voltado a grupos específicos. Não apenas as crianças devem ser imunizadas, pois existem vacinas que devem ser aplicadas na adolescência, como a vacina contra o HPV, idosos devem vacinar-se contra a gripe, pneumonia e tétano; gestantes também devem ser imunizadas contra a gripe, tétano e rubéola. Além disso, existem outras vacinas que devem ser aplicadas em situações específicas, como em casos de viagens a determinadas regiões.

No Sistema Único de Saúde (SUS), são disponibilizadas, gratuitamente, vacinas para mais de 20 doenças. Qualquer pessoa pode vacinar-se nas Unidades Básicas de Saúde. Para isso, basta apresentar o cartão da vacinação, que serve para comprovar a situação vacinal do indivíduo. Em caso de perda do cartão, deve ser retirada uma segunda via.

Por Helivania Sardinha dos Santos

Curtidas

0

Compartilhe:
Artigos Relacionados