Diferenças entre COVID-19, gripe e resfriado

Você está aqui:

COVID-19, gripe e resfriado são três doenças que afetam o trato respiratório. Essas  doenças são causadas por diferentes agentes e não apresentam tratamento específico, com exceção de alguns tipos de gripe e em casos específicos, sendo realizado apenas o tratamento dos sintomas. Embora se assemelhem em muitos dos sintomas, elas também apresentam algumas diferenças, como a dor de cabeça, comum em gripes e rara em resfriados, podendo ocorrer, às vezes, na COVID-19.

Leia também: Quarentena – medida de saúde pública para impedir disseminação de doenças

COVID-19

A COVID-19 é uma doença respiratória causada pelo vírus SARS-CoV-2, pertencente à família dos coronavírus. Em março de 2020, a Organização Mundial de Saúde declarou pandemia de COVID-19. Os principais sintomas dessa doença são  febre, tosse seca e dificuldade respiratória.

O período de incubação (período entre o contágio e o surgimento dos sintomas) é de cerca de 14 dias. A transmissão ocorre principalmente por meio de contato com o doente, que, ao espirrar ou tossir, elimina gotículas que podem contaminar outras pessoas e objetos. Ao tocar objetos contaminados e levar a mão à boca, olhos e nariz, o indivíduo pode infectar-se. Atualmente, não existe tratamento específico nem vacina contra a COVID-19. Para saber mais detalhes sobre essa doença, acesse: COVID-19.

A COVID-19, a gripe e o resfriado são doenças respiratórias causadas por diferentes agentes.
A COVID-19, a gripe e o resfriado são doenças respiratórias causadas por diferentes agentes.

Gripe

A gripe (influenza) é uma doença que afeta o trato respiratório e é causada por vírus da família Orthomyxoviridae, da qual fazem parte os vírus influenza A, B e C, que, além do homem, podem causar doenças também em aves e outros mamíferos. A gripe pode ser transmitida por meio do contato com o doente, quando ele tosse ou espirra, bem como pelo contato com a sua saliva, secreções nasais e, também, fezes de animais contaminados.

A gripe apresenta um período de incubação de um a quatro dias. Dentre os seus sintomas, podemos destacar febre, dor de garganta, coriza, dor de cabeça, tosse, fadiga, mal-estar e calafrios. Esses sintomas geralmente desaparecem após sete dias. No entanto, a tosse, que normalmente surge à medida que a doença progride, pode permanecer por algumas semanas.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

É importante destacar que a gripe pode apresentar complicações, como o agravamento de algumas comorbidades – a asma, por exemplo –, além do surgimento de sinusite, otite e até mesmo pneumonias, que podem, inclusive, levar a óbito, principalmente indivíduos imunocomprometidos, crianças e idosos.

Idosos com 60 anos ou mais devem ser imunizados contra a gripe.
Idosos com 60 anos ou mais devem ser imunizados contra a gripe.

Geralmente, na gripe, apenas os sintomas são tratados. Medicamentos antivirais só são indicados em casos específicos e para alguns tipos gripais. A melhor forma de prevenção contra a gripe é a vacinação, que ocorre anualmente. A vacina contra a gripe é disponibilizada gratuitamente pelo Ministério da Saúde para grupos de risco, como idosos, gestantes, crianças entre 6 meses e 5 anos, 11 meses e 29 dias, portadores de doenças crônicas, povos indígenas, trabalhadores da área de saúde e da educação, entre outros.

Veja também: Gripe H1N1 ou gripe A – um tipo de gripe mais propenso a complicações

Resfriado

O resfriado é uma infecção que afeta as vias aéreas superiores, sendo causado por vírus, principalmente os rinovírus. Os coronavírus são o segundo tipo que mais causam resfriados, mas é importante destacar que, entre os causadores do resfriado comum, não está o SARS-CoV-2, causador da COVID-19.

Esses vírus estão em circulação entre a população durante todo o ano e seu período de incubação varia de um a nove dias. Geralmente seus sintomas mais comuns são  coriza e obstrução nasal, podendo ocorrer também tosse aguda. Os sintomas do resfriado são brandos e duram cerca de quatro dias. Não existe tratamento específico para o resfriado, sendo realizado apenas o tratamento de alguns sintomas.

Veja também: Quais são as diferenças entre gripe e resfriado?

Diferenças entre COVID-19, gripe e resfriado

Como visto, essas doenças apresentam alguns sintomas que as tornam semelhantes, mas também algumas diferenças. Dentre suas diferenças, podemos destacar o fato de os agentes causadores de cada doença serem diferentes, assim, apenas o médico poderá determinar a doença apresentada pelo paciente, pois pode ser necessária a realização de exames laboratoriais para o diagnóstico.

Alguns sintomas também são diferentes, como a falta de ar, que pode ocorrer às vezes na COVID-19, mas é rara em gripes e resfriados, e a febre, comum na COVID-19 e na gripe, mas rara em resfriados.

A seguir, apresentamos uma tabela, disponibilizada pelo Ministério da Saúde, na qual podem ser observados os sintomas presentes em cada doença.

Alguns sintomas de COVID-19 (coronavírus), resfriado e gripe são similares.[1]
Alguns sintomas de COVID-19 (coronavírus), resfriado e gripe são similares.[1]

Prevenção e controle

As formas de se prevenir contra essas doenças e evitar sua transmissão também são semelhantes. É importante destacar que, até o momento, apenas a gripe apresenta vacina como forma de prevenção. A seguir apresentamos alguns cuidados que devem ser tomados:

  • Lavar as mãos frequentemente com água e sabão e, na ausência desses,  higienizar utilizando álcool em gel 70%;
  • Ao tossir e espirrar, cubra o nariz e a boca utilizando um lenço ou então a parte interna do seu cotovelo (Ao utilizar um lenço, descarte-o em seguida e higienize as mãos.);
  • Se estiver doente, permaneça em casa;
  • Mantenha os ambientes arejados;
  • Evite tocar nos olhos, boca e nariz com as mãos sem a devida higienização;
  • Não compartilhe objetos de uso pessoal, como copos, talheres e pratos;
  • Higienize objetos que são manuseados com frequência, como celulares;
  • Mantenha-se a uma distância de pelo menos 1 metro das pessoas que apresentem sintomas dessas doenças;
  • Evite aglomerações em casos de surtos dessas doenças.

Por Helivania Sardinha dos Santos

Curtidas

0

Compartilhe:
Artigos Relacionados