Condução da seiva

Você está aqui:
Em briófitas como os musgos, o transporte da seiva ocorre por difusão, isto é, de célula a célula
Em briófitas como os musgos, o transporte da seiva ocorre por difusão, isto é, de célula a célula

Curtidas

0

Compartilhe:
Por Helivania Sardinha dos Santos

A nutrição das plantas é feita por meio das seivas, que podem ser de dois tipos:

Seiva bruta ou mineral: constituída pela água e sais minerais presentes no ambiente;

Seiva elaborada: constituída por substâncias orgânicas produzidas pelas plantas no processo de fotossíntese.

Podemos classificar as plantas em dois grupos de acordo com a presença ou ausência de um sistema de tecido vascular. Esse tecido com a função de conduzir as seivas no corpo das plantas é constituído por células unidas em tubos. As plantas que possuem esse extenso sistema de tecido vascular são denominadas vasculares, como as pteridófitas, gimnospermas e angiospermas. As plantas que não apresentam esse sistema são denominadas de avasculares, como as briófitas.

Condução da seiva

A seiva é conduzida pela planta de duas formas, as quais dependem da presença ou ausência de tecido vascular:

  • Plantas avasculares: a estrutura dos órgãos das briófitas são delgados e, dessa maneira, sua seiva consegue ser transportada, célula a célula, por meio da difusão. Essas plantas geralmente apresentam limitação em seu tamanho, pois não possuem tecidos condutores para levar a seiva a longas distâncias, além de, por difusão, a condução da seiva ocorrer muito lentamente. No entanto, algumas espécies de musgos apresentam no interior de seus “caules” tecidos vasculares e, assim, desenvolvem-se mais, podendo alcançar até dois metros de altura.

  • Plantas vasculares: o transporte da seiva ocorre em vasos condutores formados pelos tecidos condutores. Os vasos que transportam a seiva bruta ou mineral da raiz para as folhas são denominados lenhosos. O conjunto de vasos lenhosos de uma planta e tecidos associados a eles são chamados de xilema ou lenho. Os vasos que transportam a seiva elaborada das folhas para toda a planta são denominados de vasos liberianos, e seu conjunto e os tecidos associados a ele são chamados de floema ou líber.

    Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Condução da seiva bruta (teoria da transpiração-coesão-tensão ou coesão-tensão ou teoria de Dixon): a absorção de água e sais ocorre na raiz, principalmente na região dos pelos absorventes. Os sais são absorvidos por meio do transporte ativo, e, como o interior das células fica hipertônico, ou seja, muito concentrado, a água entra por osmose. Células do parênquima, então, levam a água e os sais para o interior dos vasos para que sejam distribuídos por toda a planta. As moléculas de água ligam-se entre si pelas pontes de hidrogênio, criando uma rede dentro dos vasos. Quando ocorre a transpiração através das folhas, gera uma tensão em toda a seiva bruta por causa da coesão entre as moléculas, o que permite, assim, que a seiva bruta percorra grandes distâncias dentro da planta sem cessar sua subida.

Condução da seiva elaborada (teoria do fluxo de pressão ou teoria do fluxo em massa de Ernst Münch): A sacarose, formada nas folhas, difunde-se pelas células parenquimáticas até aproximar-se do floema, onde é absorvida por meio do transporte ativo pelas células-companheiras dos vasos liberianos e, depois, levada ao interior dos vasos. Dessa forma, a pressão osmótica aumenta no interior dos vasos que absorvem a água do xilema, o que aumenta a pressão hidrostática dentro do vaso. Quando um órgão da planta absorve a sacarose, a pressão osmótica no vaso diminui, o que o faz perder água também para esse órgão e diminuir a pressão hidrostática. Assim, a seiva move-se da região em que essa pressão é maior para uma com pressão hidrostática menor.


Por Ma. Helivania Sardinha dos Santos

Curtidas

0

Compartilhe: