Píton

Você está aqui:
Pítons são animais que não ocorrem naturalmente no Brasil. São serpentes não venenosas e constritoras, assim como as sucuris e as jiboias.
Píton-reticulada
A píton-reticulada destaca-se como a maior serpente em comprimento do mundo.

Pítons (família Pythonidae) são um grupo de serpentes grandes, não venenosas, que se destacam por serem animais constritores. Elas se enrolam ao redor do corpo da vítima de modo a impedir o fluxo sanguíneo, causando parada cardíaca.

Esses animais alimentam-se de diferentes espécies, como mamíferos e aves. São nativas da Ásia e da África, não ocorrendo naturalmente no Brasil. Existem diferentes espécies de píton, merecendo destaque a chamada píton-reticulada, a qual é considerada a maior serpente em comprimento do mundo.

Saiba mais: Jacaré — um tipo de réptil que ocorre no Brasil

Resumo sobre a píton

  • Pítons são serpentes da família Pythonidae.

  • No Brasil, não há pítons naturalmente, sendo esses animais nativos da Ásia e África.

  • Pítons possuem hábito carnívoro. Dentre suas presas destacam-se diferentes espécies de animais, como roedores e outros mamíferos.

  • Pítons não são serpentes venenosas e matam suas presas por constrição, assim como fazem as sucuris e jiboias.

  • A píton-reticulada é a maior serpente em comprimento do mundo.

Dados sobre a píton

Píton é um nome popular usado para fazer referência a um grupo de serpentes de grande porte da família Pythonidae. Essa família de serpentes é nativa da Ásia e África, não sendo encontrada em território nacional naturalmente.

As pítons, assim como outras serpentes, possuem corpo alongado e com escamas. Nas serpentes dessa família, os membros anteriores não estão presentes, mas há vestígios de seus membros posteriores. Essas estruturas vestigiais apresentam papel importante para esses répteis, pois são usadas em rituais de acasalamento e na briga entre os machos pela fêmea.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Quando falamos em pítons, é comum que muitas pessoas se lembrem da clássica imagem da píton albina, com sua coloração amarelada. Entretanto, é importante destacar que esses répteis apresentam uma grande variedade de cores e padrões. Há pítons verdes, marrons, amarelas e alaranjadas. A píton-reticulada, por exemplo, apresenta coloração dorsal que vai do amarelo-claro ao marrom e possui um padrão de desenhos que lembram diamantes.

Píton, a maior serpente do mundo

As pítons são consideradas as maiores serpentes do mundo. Entretanto, é importante salientar que há espécies de grande tamanho e outras menores. A píton-reticulada (Malayopython reticulatus) tem destaque, sendo a espécie a maior serpente em comprimento do mundo. Ela leva esse título pois pode atingir cerca de 9 metros de comprimento. Vale salientar que o título de maior serpente em massa é da sucuri.

A píton é venenosa?

Não, pítons não são venenosas. Elas apresentam dentição do tipo aglifa, ou seja, sua dentição é mais ou menos uniforme e não há dentes para inoculação de peçonha. Apesar de não matarem suas presas por envenenamento, as pítons são predadoras eficientes. Assim como as jiboiais e sucuris, as pítons matam suas vítimas por constrição. Isso significa que enrolam seu corpo ao redor da presa e a apertam de modo a interromper o fluxo sanguíneo. Essa ação faz com que a vítima morra por parada cardíaca.

Veja também: Soro antiofídico — substância utilizada para neutralizar o veneno de serpentes em suas vítimas

Alimentação da píton

As pítons são animais carnívoros e alimentam-se, portanto, de outros animais. Fazem parte da dieta desses répteis animais pequenos, como morcegos e musaranhos, até animais de grande porte, como veados. As pítons engolem suas presas inteiras. Vale salientar que, apesar de raros, há relatos de pítons que atacaram e mataram seres humanos.

Reprodução da píton

Outra característica das pítons é que são animais ovíparos, ou seja, que botam ovos. Geralmente, as pítons enrolam-se em sua ninhada até que os ovos eclodam. O tempo de incubação varia entre as espécies. Uma capacidade interessante das pítons é a de produzir calor por meio de contrações musculares. Essa capacidade é utilizada na incubação dos ovos.

Algumas espécies de píton

Píton-indiana
 A píton-indiana apresenta um padrão de mosaico retangular em todo o seu corpo.
  • Píton-indiana (Python molurus): A píton-indiana é encontrada no continente asiático, habitando uma grande variedade de hábitats, como florestas, bosques, pastagem e pântanos, estando sempre próximas a fontes de água. É uma espécie que se destaca como boa escaladora e boa nadadora. Apresenta hábitos predominantemente noturnos e se alimenta, preferencialmente, de mamíferos. O corpo desse animal é marcado por um padrão do tipo mosaico retangular.

  • Píton-reticulada (Malayopython reticulatus): A píton-reticulada, como salientado anteriormente, é a maior espécie de serpente em comprimento do mundo, podendo atingir 9 metros. Trata-se de uma espécie nativa da Ásia e que é encontrada, principalmente, em regiões de florestas e pântanos, sendo facilmente encontrada em áreas onde há cursos d’água. Alimenta-se, geralmente, de mamíferos e aves que vivem em seu território, como musaranhos e veados.

  • Píton-real (Python regius): As pítons-reais são encontradas em regiões de florestas abertas e pastagens na África. São uma espécie mais ativa durante o anoitecer e o amanhecer e ficam grande parte do tempo no solo ou em tocas. Quando adultas, medem entre 1 e 1,5 metro de comprimento, sendo as fêmeas maiores que os machos. Estão dentre as menores pítons. A píton-real é também conhecida como píton-bola por assumir uma posição semelhante a uma bola quando se sente ameaçada. Geralmente, o corpo dessas pítons é formando por manchas marrons mais claras intercaladas com manchas mais escuras.

Por Vanessa Sardinha dos Santos

Curtidas

0

Compartilhe:
Artigos Relacionados