Caatinga

Você está aqui:

A Caatinga é um bioma brasileiro cujo nome tem origem tupi-guarani, significando “floresta branca”. O significado do nome Caatinga remete a uma das principais características desse bioma, que são os troncos brancos da vegetação sem folhas durante a seca. A Caatinga apresenta um clima quente e seco e um solo raso e pedregoso, assim, a vegetação dessa região apresenta adaptações contra a perda de água, como a perda de suas folhas na seca e a presença de espinhos.

Dentre as espécies pertencentes à flora da Caatinga, podemos citar o mandacaru, o umbuzeiro e o juazeiro. Dentre as espécies pertencentes à fauna, podemos citar o gavião-carcará, o mocó e a arara-azul-de-lear. Algumas espécies pertencentes à Caatinga encontram-se em risco de extinção ou foram extintas, assim, são importantes medidas de preservação para esse bioma, que é o menos protegido do Brasil.

Leia também: Cerrado – bioma brasileiro que apresenta uma ampla heterogeneidade ambiental

Na seca, a vegetação da Caatinga perde suas folhas, apresentando apenas os troncos brancos.
Na seca, a vegetação da Caatinga perde suas folhas, apresentando apenas os troncos brancos.

Características gerais da Caatinga

A Caatinga é o único bioma cujos limites encontram-se totalmente dentro de território brasileiro, ocupando uma área de cerca de 750 mil a 1 milhão de km², o que corresponde a cerca de 10% do território brasileiro. Ela está distribuída principalmente na região Nordeste do país, estando presente nos estados do Rio Grande do Norte, Bahia, Ceará, Piauí, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e apresentando uma faixa que se estende pelo estado de Minas Gerais. Possui um clima  semiárido, com temperaturas anuais elevadas e uma seca prolongada e cíclica. A pluviosidade é de cerca de 500 mm a 1000 mm anuais, concentrada em uma estação com duração de três a cinco meses. Em seu relevo predominam-se planaltos e chapadas e seu solo é raso e pedregoso.

Flora da Caatinga

A flora da Caatinga é constituída por uma vegetação xerofítica, com adaptações para desenvolver-se no clima semiárido. A vegetação é constituída por árvores de pequeno porte e arbustos de troncos retorcidos com a presença de espinhos e que, durante a seca, perdem suas folhas, sendo observada apenas a presença dos troncos brancos e brilhosos, como se a mata estivesse morta. Apenas algumas plantas não perdem suas folhas, como é o caso do juazeiro.

Além disso, é observada a presença de plantas que armazenam água, como as cactáceas. Dentre elas podemos destacar a coroa-de-frade, o facheiro, o xique-xique e o mandacaru, um dos símbolos desse bioma. A perda das folhas e a presença de espinhos são adaptações dessas plantas contra a perda de água.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Além das plantas citadas, podemos destacar a presença de algumas plantas típicas, como:

  • o umbuzeiro
  • o jatobá
  • a baraúna
  • a maniçoba
  • a mimosa
  • a aroeira
  • a macambira

Entre as inúmeras espécies de plantas encontradas na Caatinga, cerca de 323 espécies são endêmicas.

As cactáceas são plantas típicas desse bioma e apresentam a capacidade de armazenar água em seus tecidos.
As cactáceas são plantas típicas desse bioma e apresentam a capacidade de armazenar água em seus tecidos.

Fauna da Caatinga

A fauna da Caatinga é bastante diversificada, apresentando diversas espécies de répteis (cerca de 97 espécies), anfíbios (cerca de 45 espécies), aves (mais de 200 espécies) e mamíferos (cerca de 178 espécies). Muitas das espécies de animais encontradas na Caatinga são endêmicas, sendo 13 espécies de mamíferos, 23 de lagartos, 20 de peixes e 15 de aves.

Dentre as espécies de animais que podem ser encontradas nesse bioma, podemos citar:

  • o sapo-cururu
  • a jiboia
  • a cascavel
  • o mocó
  • o preá
  • o tatú-peba
  • o gambá
  • o veado-catingueiro
  • o gato-do-mato
  • o galo-da-campina
  • o gavião-carcará
  • a asa-branca

Quando falamos em aves, é importante destacarmos a ararinha-azul (Cyanopsitta spixii) e a arara-azul-de-lear (Anodorhynchus leari). A ararinha-azul habitava a região da Caatinga, no entanto, o último exemplar foi visto na natureza no ano 2000, assim, essa espécie é considerada extinta. Já a arara-azul-de-lear encontra-se em risco de extinção, com cerca de 150 exemplares.

Veja mais: Problemas ambientais brasileiros – lista dos principais problemas e impactos causados

A arara-azul-de-lear é uma ave da Caatinga que se encontra em risco de extinção.
A arara-azul-de-lear é uma ave da Caatinga que se encontra em risco de extinção.

Conservação da Caatinga

A Caatinga vem sofrendo ao longo do tempo com o processo de desmatamento, principalmente para o uso do solo. Dentre as atividades realizadas nesse ambiente, destaca-se a plantação da cana-de-açúcar. Com isso, diversas espécies são afetadas pela destruição de seu habitat, podendo inclusive chegarem à extinção. Além do desmatamento, a região sofre com os efeitos do aquecimento global. A redução nos regimes de chuvas pode afetar de tal modo essa região do semiárido ao ponto de transformá-la em deserto.

A Caatinga é o bioma menos protegido no Brasil, tendo menos de 2% de seu território ocupado por áreas de conservação. É essencial a elaboração de medidas públicas para a conservação desse bioma tão diverso e importante para que casos como o da ararinha-azul citada não voltem a acontecer.

Por Helivania Sardinha dos Santos

Curtidas

0

Compartilhe:
Artigos Relacionados