Síndrome de Ramsay Hunt

Você está aqui:
Síndrome de Ramsay Hunt ocorre pela reativação do vírus varicela-zóster e provoca lesões no pavilhão auricular e paralisia facial periférica.
Representação pictográfica de quatro vírus varicela-zoster
O vírus varicela-zóster permanece latente em nosso organismo após a cura da catapora e pode reativar-se em um momento de queda de imunidade.

Síndrome de Ramsay Hunt é uma condição rara que ocorre como consequência de uma reativação do vírus causador da catapora. Esse vírus, após ter-se desenvolvido a catapora, permanece latente no organismo e, em situações de queda da imunidade, pode reativar.

 A síndrome se caracteriza por provocar paralisia facial e dor e lesões no pavilhão auricular. Tem evolução mais severa que a chamada paralisia facial de Bell e deve ser tratada com a administração de antivirais. Seu diagnóstico é feito por meio da análise dos sintomas apresentados pelo paciente.  

Leia mais: Síndrome de Kawasaki — inflamação de vasos sanguíneos de médio e pequeno calibre que pode afetar diversos órgãos

Resumo sobre síndrome de Ramsay Hunt

  • É uma síndrome rara que foi descrita em 1907.

  • É desencadeada pela reativação do vírus da varicela-zóster, que permanece latente no organismo após um caso de catapora.

  • Provoca paralisia facial periférica, dor e lesões no pavilhão auricular.

  • Sua sequela mais importante é a paralisia facial.

  • Seu diagnóstico é feito pela análise dos sintomas.

  • Seu tratamento envolve o uso de antivirais.

Características gerais da síndrome de Ramsay Hunt

Ramsay Hunt é o nome dado a uma síndrome, descrita em 1907 por James Ramsay Hunt, caracterizada pela ocorrência de paralisia facial periférica associada à herpes-zóster-oticus. A síndrome corresponde a 7-16% das paralisias faciais periféricas unilaterais não traumáticas e tem evolução considerada mais severa que a paralisia facial de Bell.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Como a síndrome de Ramsay Hunt se desenvolve no organismo?

A síndrome de Ramsay Hunt ocorre devido a uma reativação do vírus varicela-zóster, causador da catapora. Assim sendo, uma pessoa não pode contrair a síndrome de outra, desenvolvendo-se apenas naquelas pessoas que, algum dia, tiveram catapora.

Uma pessoa que adquiriu a catapora e se curou da doença, apesar de se tornar imune a ela, não elimina o vírus do corpo. O vírus varicela-zóster, após o fim dos sintomas da catapora, permanece latente nos gânglios nervosos. Principalmente em estados de estresse físico e emocional e imunodepressão (atenuação da imunidade de um indivíduo), podemos observar a reativação do vírus. A síndrome de Ramsay Hunt é rara e ocorre quando a reativação acontece nos pares cranianos, mais precisamente no gânglio geniculado.

Quais os sintomas da síndrome de Ramsay Hunt?

A Síndrome de Ramsay Hunt apresenta como sintomas principais a dor no pavilhão auditivo, o surgimento de leões nessa região e a paralisia facial periférica. A paralisia é, em geral, unilateral e impede que o indivíduo seja capaz de realizar movimentos simples, como sorrir e piscar os olhos. A paralisa na face trata-se da sequela mais comum e também mais importante da síndrome.

Além do surgimento de dor e lesões no pavilhão auditivo e paralisia facial, pacientes com síndrome de Ramsay Hunt podem desenvolver sintomas como vertigem, perda da audição, zumbido, náuseas, vômitos e movimentos repetitivos e involuntários dos olhos.

Leia mais: Poliomielite ou paralisia infantil — doença infectocontagiosa causada pelo poliovírus

Como saber se estou com a síndrome de Ramsay Hunt?

Para um diagnóstico correto da síndrome de Ramsay Hunt, é fundamental que um médico seja procurado assim que os sintomas surjam. O diagnóstico é feito por meio da análise de sintomas e por meio de exames complementares, os quais são solicitados, geralmente, em casos duvidosos e atípicos.

Existe tratamento para a síndrome de Ramsay Hunt?

O tratamento da síndrome de Ramsay Hunt ainda é um assunto muito debatido entre os médicos. De maneira geral, recomenda-se o uso de antivirais, como o aciclovir. A terapia antiviral deve ser iniciada imediatamente, sendo observada uma melhor recuperação quando o medicamento é administrado nas primeiras 72 horas do início dos sintomas.

Além do uso de antivirais, alguns profissionais recomendam o uso de corticosteroides, sendo essa uma medida ainda questionada. Além disso, fisioterapia pode ser recomendada, bem como o uso de medicamentos para tratar sintomas, como lubrificantes oculares e analgésicos.

Crédito da imagem

Shutterstock/Babak Rachpoot   

Por Vanessa Sardinha dos Santos

Curtidas

0

Compartilhe:
Artigos Relacionados