Candida auris

Você está aqui:
Candida auris é um fungo que tem capacidade de provocar infecções graves. Destaca-se por ser multirresistente e difícil de se retirar do ambiente.
Existem diferentes espécies de fungo do gênero Candida, sendo algumas de grande perigo, como a Candida auris.
Existem diferentes espécies de fungo do gênero Candida, sendo algumas de grande perigo, como a Candida auris.

Candida auris é uma espécie de fungo resistente a diferentes classes de antifúngicos, capaz de provocar infecção da corrente sanguínea humana e outras infecções invasivas. Sua multirresistência faz com que a infecção pelo fungo seja considerada uma ameaça à saúde pública, sendo o tratamento limitado e a infecção, em algumas situações, fatal.

Além de sua resistência, o fungo é de difícil identificação. Ele também é capaz de permanecer viável por semanas e até mesmo meses no ambiente. Identificado inicialmente como agente infeccioso em seres humanos em 2009, sua primeira infecção registrada no Brasil só ocorreu no ano de 2020.

Veja também: Resistência bacteriana a antibióticos — quais fatores colaboram para isso?

Resumo sobre Candida auris

  • Candida auris é uma espécie de fungo multirresistente, portanto, infecções provocadas por ele são difíceis de ser tratadas.

  • Pode desencadear infecções invasivas passíveis de levar o indivíduo à morte.

  • Essa espécie de fungo é capaz de provocar surtos em ambientes hospitalares. Ela permanece viável por longo período no ambiente.

  • O primeiro caso de Candida auris no Brasil foi observado em um hospital na Bahia, e o fungo foi isolado do cateter de um paciente em uma unidade de terapia intensiva (UTI).

  • No Brasil, houve três surtos provocados pelo fungo.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Candida auris: espécie do gênero Candida que pode ser fatal

Candida é um gênero de fungo bastante conhecido, o qual pode ser encontrado, por exemplo, em solo, água e até mesmo como parte da microbiota de seres humanos. Nesse último caso, torna-se patogênico quando ocorre um desequilíbrio na relação estabelecida entre o fungo e o ser humano, e aquele se comporta como oportunista. As infecções causadas pelo gênero Candida são chamadas de candidíase.

Candida auris é uma espécie do gênero Candida, e o seu reconhecimento como patógeno ocorreu em 2009, no Japão. A espécie foi identificada a partir de material retirado do conduto auditivo externo de um paciente, porém o Candida auris não é encontrado apenas nessa região corporal. Ele já foi identificado, por exemplo, em feridas, urina e amostras respiratórias.

Vale destacar que essa espécie pode provocar infecções da corrente sanguínea e outras infecções invasivas, as quais podem ser fatais, principalmente em pessoas que apresentam comorbidades e imunodeprimidos.

Leia também: Como se dá a reprodução dos fungos?

Preocupações em relação ao Candida auris

Candida auris é um fungo que representa ameaça à saúde pública, por causa de sua propensão a causar surtos. A primeira característica que merece destaque em relação à espécie é que se trata de uma levedura multirresistente.

Isso significa que vários medicamentos utilizados para tratar infecções fúngicas são ineficazes com o Candida auris. De acordo com a Anvisa, estudos mostram que até 90% dos isolados são resistentes a fluconazol, anfotericina B ou equinocandinas, um padrão multirresistente que não foi verificado ainda em nenhuma outra espécie do gênero Candida.

Por ser resistente a diferentes antifúngicos, o Candida auris é conhecido como “superfungo”. Isso não significa, no entanto, que a infecção não pode ser tratada. Para o tratamento, são necessárias altas doses de antifúngicos e a utilização de diferentes classes desse medicamento.

Além de ser multirresistente, o fungo permanece viável por semanas e até meses no ambiente. Ele é também resistente a diferentes desinfetantes, o que dificulta a higienização de locais contaminados e representa um problema em ambientes hospitalares.

Candida auris é ainda uma espécie de difícil identificação, o que acaba favorecendo a ocorrência de surtos, uma vez que as medidas adequadas para contornar o problema podem não ser adotadas. Para a identificação de Candida auris, faz-se necessária a realização de procedimentos laboratoriais específicos, como métodos moleculares sofisticados.

Leia também: Candidíase vulvovaginal — a doença provocada pelo fungo Candida albicans

Fatores de risco para infecções por Candida auris

O fungo Candida auris é uma preocupação, principalmente, em ambientes hospitalares, onde o fungo é capaz de provocar surtos. Ele não representa, portanto, uma preocupação para as pessoas em geral. De acordo com a Anvisa, são fatores de risco para infecções por Candida auris:

  • internação em instituições de longa permanência para idosos e hospitais, principalmente em UTI, por longos períodos;

  • uso de cateter venoso central e outros dispositivos médicos invasivos, como sondas para alimentação enteral ou tubos para ventilação mecânica;

  • cirurgia recente;

  • diabetes;

  • uso de antimicrobianos ou antifúngicos de amplo espectro.

Monitores e médicos em um ambiente hospitalar.
 Candida auris é um fungo que causa preocupação em ambientes hospitalares.

Existem casos de Candida auris no Brasil?

Apesar de casos de infecção por Candida auris serem conhecidos desde 2009, o Brasil só teve seu primeiro caso notificado à Anvisa em 2020. No total, três surtos provocados por esse fungo já aconteceram no país, sendo que um deles causou duas mortes.

  • Primeiro surto: o fungo foi observado na amostra da ponta do cateter de um paciente internado em uma UTI no estado da Bahia em dezembro de 2020. Na ocasião, houve um surto, com 15 casos e duas mortes.

  • Segundo surto: outro surto foi observado, novamente na Bahia, em dezembro de 2021. Dessa vez, um caso foi registrado, e o fungo foi identificado em amostra de urina.

  • Terceiro surto: o terceiro surto no Brasil ocorreu em um hospital de Pernambuco em 2022. Dois casos foram observados, e o fungo foi igualmente identificado em amostra de urina.

Por Vanessa Sardinha dos Santos

Curtidas

0

Compartilhe:
Artigos Relacionados