Autismo

Você está aqui:

O autismo, cujo nome técnico oficial é Transtorno do Espetro Autista (TEA), é um transtorno de desenvolvimento caracterizado pela dificuldade de comunicação e interação social, e por comportamentos repetitivos e/ou restritos. Os sintomas aparecem logo nos primeiros anos de vida. O TEA não tem cura, no entanto, a realização de terapias auxilia no desenvolvimento do indivíduo.

As causas desse transtorno ainda são incertas, entretanto, acredita-se que estejam ligadas a fatores genéticos e ambientais. O indivíduo no espectro é considerado, por lei, como deficiente, assim, tem seus direitos garantidos. No dia 2 de abril, celebra-se o Dia Mundial de Conscientização do Autismo.

Leia também: Depressão – doença que acomete uma grande parte da população

O que é o Transtorno do Espectro Autista?

O TEA é um transtorno do desenvolvimento neurológico que se carateriza, principalmente, pelo comprometimento da habilidade de comunicação e interação social, assim como por comportamentos estereotipados e interesses repetitivos e/ou restritos.

Uma das principais características do autismo é a dificuldade de interação social.
Uma das principais características do autismo é a dificuldade de interação social.

Embora, como mencionado, essas sejam as principais, as características apresentadas por esses indivíduos são diversas, por isso o nome “espectro” e o símbolo do transtorno ser um quebra-cabeças, devido a sua complexidade e diversidade.

O TEA tem uma prevalência em indivíduos do sexo masculino. Os seus sintomas, que podem variar de leves a severos, surgem desde os primeiros anos de vida. Os indivíduos no espectro podem ter vida independente, entretanto, em alguns casos, podem ser dependentes por toda a vida para a realização das atividades do dia a dia.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Causas do Transtorno do Espectro Autista

Acredita-se que as principais causas do TEA são fatores genéticos e ambientais. Sendo que a hereditariedade é a responsável por cerca de 81% dos casos. Dentre os fatores ambientais, destaca-se que o uso de determinados medicamentos durante a gestação e a idade avançada do pai sejam fatores que influenciem no desenvolvimento do transtorno.

É importante destacar que, durante a gestação, só devem ser utilizados medicamentos prescritos pelo médico responsável.

Leia também: Automedicação - consumo de remédio sem a prescrição médica

Sinais e sintomas do Transtorno do Espectro Autista

Os sinais e sintomas do TEA surgem logo nos primeiros anos de vida e devem ser relatados ao médico que faz o acompanhamento da criança. É importante destacar que muitos adultos estão no espectro, mas nunca foram diagnosticados. A seguir, listamos alguns desses sinais que devem servir de alerta:

  • Não manter contato visual por muito tempo;

  • Não atender quando chamado pelo nome;

  • Não se interessar por outras pessoas;

  • Apresentar pouca ou nenhuma verbalização;

  • Repetir frases ou palavras sem a devida função (ecolalia);

  • Incômodo incomum com sons altos;

  • Interesse restrito ou hiperfoco;

  • Não apontar e não olhar quando apontamos algo;

  • Ser muito preso a rotinas;

  • Fazer movimentos repetitivos sem função aparente;

  • Alinhar objetos;

  • Não brincar com brinquedos de forma convencional;

  • Girar objetos sem uma função aparente;

  • Quando criança, não imitar e nem brincar de “faz de conta”.

É importante destacar que cerca de um terço das pessoas que apresentam o transtorno não desenvolverá a fala. Além disso, um terço delas também apresenta algum nível de deficiência intelectual. É importante destacar ainda que alguns indivíduos são extremamente inteligentes, sendo insuperáveis em suas áreas de conhecimento.

O indivíduo portador do TEA pode apresentar uma sensibilidade incomum a sons altos.
O indivíduo portador do TEA pode apresentar uma sensibilidade incomum a sons altos.

Diagnóstico do Transtorno do Espectro Autista

O diagnóstico do TEA segue critérios internacionais e é realizado de forma essencialmente clínica. Por meio de um teste de triagem, busca-se avaliar os sinais apresentados pelo indivíduo, sendo que alguns exames complementares também poderão ser solicitados nesse processo.

Tratamento do Transtorno do Espectro Autista

O TEA não tem cura, no entanto, a realização de terapias é essencial para o melhor desenvolvimento do indivíduo, e essas intervenções devem ser iniciadas antes mesmo de um diagnóstico completamente fechado. O tratamento é interdisciplinar e envolve diversos profissionais. Dentre as terapias a serem realizadas, podemos destacar a psicoterapia, a fonoterapia e a terapia ocupacional.

Em alguns casos em que o indivíduo apresenta, por exemplo, autoagressividade, irritabilidade, hiperatividade, insônia, entre outros sintomas, pode ser necessária a administração de medicamentos, os quais serão indicados pelo médico responsável.

Leia também: Transtorno de Deficit de Atenção e Hiperatividade

Classificação do Transtorno do Espectro Autista

Até recentemente, o autismo era classificado entre os Transtornos Globais do Desenvolvimento. Em 2013, surgiu o termo Transtorno do Espectro Autista, segundo o Manual de Diagnóstico e Estatística dos Transtornos Mentais.

Em 2018, a nova versão da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde uniu os diagnósticos de Transtornos Globais de Desenvolvimento em Transtornos do Espectro Autista. A nova classificação está assim apresentada:

  • Transtorno do Espectro do Autismo sem deficiência intelectual (DI) e com comprometimento leve ou ausente da linguagem funcional;

  • Transtorno do Espectro do Autismo com deficiência intelectual (DI) e com comprometimento leve ou ausente da linguagem funcional;

  • Transtorno do Espectro do Autismo sem deficiência intelectual (DI) e com linguagem funcional prejudicada;

  • Transtorno do Espectro do Autismo com deficiência intelectual (DI) e com linguagem funcional prejudicada;

  • Transtorno do Espectro do Autismo sem deficiência intelectual (DI) e com ausência de linguagem funcional;

  • Transtorno do Espectro do Autismo com deficiência intelectual (DI) e com ausência de linguagem funcional;

  • Outro Transtorno do Espectro do Autismo especificado;

  • Transtorno do Espectro do Autismo, não especificado.

O Transtorno do Espectro Autista e a legislação

A Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012, institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. É importante destacar que o indivíduo no espectro é considerado deficiente para todos os efeitos legais e, assim, tem seus direitos assegurados.

A Lei nº 12.764 aponta, em seu artigo 3º, os direitos da pessoa no espectro autista. São eles:

I - a vida digna, a integridade física e moral, o livre desenvolvimento da personalidade, a segurança e o lazer;

II - a proteção contra qualquer forma de abuso e exploração;

III - o acesso a ações e serviços de saúde, com vistas à atenção integral às suas necessidades de saúde, incluindo:

a) o diagnóstico precoce, ainda que não definitivo;

b) o atendimento multiprofissional;

c) a nutrição adequada e a terapia nutricional;

d) os medicamentos;

e) informações que auxiliem no diagnóstico e no tratamento;

IV - o acesso:

a) à educação e ao ensino profissionalizante;

b) à moradia, inclusive à residência protegida;

c) ao mercado de trabalho;

d) à previdência social e à assistência social.

Parágrafo único. Em casos de comprovada necessidade, a pessoa com transtorno do espectro autista incluída nas classes comuns de ensino regular, nos termos do inciso IV do art. 2º , terá direito a acompanhante especializado.

Em 8 de janeiro de 2020, foi sancionada a Lei nº 13.977, também conhecida como “Lei Romeo Mion”, em homenagem a Romeo Mion, que está no espectro e é filho do apresentador brasileiro e ativista da causa TEA, Marcos Mion.

Um dos principais pontos dessa lei é a criação da Carteira de Identificação da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista (Ciptea). Segundo seu texto, essa carteira busca “garantir atenção integral, pronto atendimento e prioridade no atendimento e no acesso aos serviços públicos e privados, em especial nas áreas de saúde, educação e assistência social”.

Essa lei também informa que os estabelecimentos públicos e privados poderão utilizar a fita quebra-cabeça, símbolo mundial da conscientização do TEA, a fim de identificar a prioridade devida às pessoas com transtorno do espectro autista, o que, muitas vezes, é algo ignorado por eles.

 A fita quebra-cabeças é o símbolo mundial de conscientização do Transtorno do Espectro Autista.
A fita quebra-cabeças é o símbolo mundial de conscientização do Transtorno do Espectro Autista.

Dia Mundial de Conscientização do Autismo

O Dia Mundial de Conscientização do Autismo é celebrado anualmente, desde 2007, no 2 de abril. Essa data tem como objetivo levar informação à população a respeito do TEA e, assim, diminuir o preconceito e a discriminação contra os indivíduos que apresentam o transtorno.

Nesse dia são realizadas diversas atividades em todo o mundo sobre determinados temas relacionados ao transtorno. No ano de 2019, por exemplo, o tema trabalhado foi “Tecnologias assistivas, participação ativa”, o qual se dedicou à importância do uso das tecnologias para os indivíduos no espectro.

Em 2020, no Brasil, o tema trabalhado será “Respeito para todo o espectro”, uma forma de mostrar as diferentes manifestações do autismo. Nesse dia, as pessoas deverão utilizar a hashtag #RESPECTRO em suas redes sociais para celebrar a data.

Além dos temas trabalhados, como forma de celebrar a data e chamar a atenção das pessoas para o TEA, muitos prédios públicos, bem como os principais pontos turísticos em todo o mundo, são iluminados com a cor azul. Para saber mais sobre essa importante data, acesse: 2 de abril – Dia Mundial da Conscientização do Autismo.

Por Helivania Sardinha dos Santos

Curtidas

0

Compartilhe:
Artigos Relacionados