Langya henipavirus (LayV)

Você está aqui:
Langya henipavirus (LayV) é um vírus identificado na China, no ano de 2022, e que pode causar febre, tosse e fadiga em seres humanos.
Profissional de saúde segurando um tubo de amostra de sangue que testou positivo para o vírus Langya henipavirus (LayV).
O primeiro caso de infecção por LayV ocorreu em 2018, mas o estudo descrevendo o novo vírus só foi publicado em 2022.

Langya henipavirus (LayV), gênero Henipavirus, família Paramyxoviridae, é um novo vírus descrito no ano de 2022 e que foi identificado em pacientes na China. Ele faz parte de um grupo de vírus que já provocou surtos e infecções letais em humanos, entretanto, até o momento, esse novo vírus não provocou a morte de nenhum infectado. A infecção pelo LayV provoca sintomas gripais, como febre, fadiga e tosse.

Veja também: Vírus de Marburg — o vírus responsável por desencadear uma febre hemorrágica com alta taxa de letalidade

Resumo sobre Langya henipavirus (LayV)

  • Langya henipavirus (LayV) é um novo vírus detectado na China.

  • O vírus, provavelmente, foi transmitido de animais para seres humanos.

  • Os musaranhos são considerados, até o momento, o reservatório natural do vírus.

  • A infecção pelo LayV provoca sintomas gripais, como febre, fadiga e tosse.

  • O LayV causou infecção em, pelo menos, 35 pessoas entre os anos de 2018 e 2021, sendo a maioria desses casos de agricultores.

  • Nenhuma das pessoas infectadas morreu.

O que é o Langya henipavirus (LayV)?

Langya henipavirus (LayV), gênero Henipavirus, família Paramyxoviridae, é um novo vírus, descrito no ano de 2022, que apresenta a capacidade de provocar doença em seres humanos e foi identificado na China. Trata-se de um vírus que provoca sintomas respiratórios e provavelmente infectou pessoas por meio do contato delas com animais.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

O vírus foi descrito em uma publicação intitulada “A Zoonotic Henipavirus in Febrile Patients in China” e publicada na revista científica The New England Journal of Medicine, no ano de 2022. O estudo analisou casos que ocorreram na China entre 2018 e 2021, e os pesquisadores afirmam que, durante esse período, ao menos 35 pessoas foram infectadas.

De acordo com o estudo, os casos registrados parecem não estar relacionados. O primeiro caso foi identificado em uma mulher de 53 anos, e o nome do vírus foi dado em referência à cidade de onde a paciente era. Os pacientes, em sua maioria, eram agricultores. Além disso, a maioria dos infectados relatou ter tido contato com um animal antes do início dos sintomas.

Os pesquisadores analisaram diferentes animais a fim de identificar o possível reservatório do vírus. De acordo com o estudo, foi identificado RNA viral LayV em 27% dos 262 musaranhos amostrados, sugerindo, dessa forma, que os musaranhos podem ser o reservatório do vírus.

Transmissão do Langya henipavirus (LayV)

Até o momento, acredita-se que o vírus foi transmitido para os humanos devido ao contato com animais com ele. A forma de transmissão, no entanto, ainda não foi esclarecida. Não se sabe, por exemplo, se o vírus foi adquirido diretamente de um musaranho ou se um animal intermediário estaria envolvido.

A transmissão de uma pessoa para outra parece não ocorrer facilmente, de acordo com os casos analisados no trabalho publicado no The New England Journal of Medicine. Os pesquisadores fizeram o rastreamento de contato de alguns infectados e não foram capazes de comprovar a transmissão de uma pessoa para outra.

Leia também: Aedes aegypti — um vetor de doenças virais

Sintomas da infecção por Langya henipavirus (LayV)

A infecção por Langya henipavirus provoca, principalmente, sintomas gripais. O sintoma mais recorrente na infecção foi a febre. Além disso, fadiga, tosse, dor de cabeça e vômito foram sintomas observados nos casos analisados. Alguns indivíduos apresentaram, ainda, alterações no funcionamento do fígado e dos rins.

Apesar de o Langya henipavirus estar relacionado com vírus potencialmente fatais, Hendra henipavirus (HeV) e Nipah henipavirus (NiV), até o momento, nenhuma morte foi observada pela infecção pelo novo vírus.

Por Vanessa Sardinha dos Santos

Curtidas

0

Compartilhe:
Artigos Relacionados