Rio São Francisco

Você está aqui:
O Rio São Francisco é um dos maiores rios da América Latina e o maior rio totalmente brasileiro.
O Rio São Francisco é um dos maiores rios da América Latina e o maior rio totalmente brasileiro.

Curtidas

0

Comentários

0

por Rafaela

Compartilhe:
Por Rafaela Sousa

O Rio São Francisco, conhecido também como rio Opará, é um dos maiores rios da América Latina e o maior rio totalmente nacional. Esse curso d'água é de suma importância para o país, especialmente para a região Nordeste, que tem seu desenvolvimento socioeconômico atrelado à existência do rio. É o principal rio da Bacia do Rio São Francisco e possui diversos afluentes.

Leia também: Rompimento da Barragem em Brumadinho

Qual o percurso do Rio São Francisco?

O Rio São Francisco possui cerca de 2.700 km de extensão e inicia seu curso no estado de Minas Gerais, percorrendo os estados da Bahia, Goiás e o Distrito Federal, Pernambuco, desaguando no Oceano Atlântico entre os estados de Alagoas e Sergipe, depois de percorrer quase três mil quilômetros. Perpassa cerca de 507 municípios como Juazeiro (BA), Petrolina (PE), Piranhas (AL), Penedo (AL), Paulo Afonso (BA), entre outros.

Não pare agora... Tem mais depois da publicidade ;)

Tudo sobre o Rio São Francisco (resumo)

Identificação

Rio São Francisco, Velho Chico ou Opará.

Classificação

Rio Perene: seu curso não seca ao longo do período de estiagem, correndo, portanto, durante todo o ano.

Extensão

2.700 km equivalendo a 8% do território brasileiro.

Área ocupada

641.000 km2 aproximadamente.

Vazão média

2.846 m³ por segundo.

Navegabilidade

Condições favoráveis de navegação nos trechos entre os municípios de Pirapora, em Minas Gerais, e Juazeiro, na Bahia, e entre Pirapora e a foz do rio no estado de Alagoas.

Onde nasce o Rio São Francisco?

A nascente histórica do Rio São Francisco localiza-se na Serra da Canastra, em Minas Gerais.
A nascente histórica do Rio São Francisco localiza-se na Serra da Canastra, em Minas Gerais.

Considerava-se que a nascente do Rio São Francisco, até o ano de 2002, era localizada em São Roque, município do estado de Minas Gerais, no alto do Parque Nacional da Serra da Canastra. Essa é tida, atualmente, a nascente histórica do rio.

No entanto, em 2002, a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf), por meio de estudos realizados na área, descobriu que a nascente do Rio São Francisco é, na verdade, o Rio Samburá, localizado no município de Medeiros, também no estado de Minas Gerais. Essa é conhecida como a nascente geográfica do rio.

Leia mais: Problemas ambientais brasileiros

Bacia do Rio São Francisco

A Bacia do Rio São Francisco representa cerca de 8% do território nacional, abrangendo as áreas dos estados de Minas Gerais, Bahia, Pernambuco, Sergipe, Alagoas, Goiás e parte do território do Distrito Federal. Mais da metade da bacia fica na região Nordeste e o restante é dividido entre as regiões Sudeste e Centro-Oeste.

A bacia é dividida em quatro unidades fisiográficas, ou regiões com características físicas específicas: Alto São Francisco, que corresponde a cerca de 19% da bacia (entre a nascente até Pirapora); Médio São Francisco, que corresponde a 55% da bacia (entre Pirapora e Remanso); Submédio São Francisco, que corresponde a 24% da bacia (entre Remanso e Paulo Afonso) e Baixo São Francisco, que corresponde a 7% da bacia (entre Paulo Afonso até a foz do rio).

A bacia composta pelo Rio São Francisco e seus afluentes drenam boa parte da região conhecida como Polígono das Secas. Na área compreendida por ele, as temperaturas mantêm-se elevadas quase todo o ano, variando entre 18 ºC e 27 ºC. Diante disso, os níveis de evapotranspiração são elevados na região.

Saiba mais: 10 atitudes simples que podem salvar o planeta

Afluentes do Rio São Francisco

Encontro entre o Rio São Francisco e um de seus tributários, o Rio das Velhas.
Encontro entre o Rio São Francisco e um de seus tributários, o Rio das Velhas.

Ao longo do seu curso, o Rio São Francisco recebe descarga de outros rios, conhecidos como rios tributários, ou afluentes. O São Francisco possui 168 afluentes, segundo o Ministério do Meio Ambiente. Desse total, 99 são rios perenes e 69 são rios intermitentes (secam no período de estiagem).

São alguns dos afluentes do São Francisco:

Rio Paraopeba

Rio das Velhas

Rio Pajeú

Rio Abaeté

Rio Paracatu

Rio Urucuia

Transposição do Rio São Francisco

De acordo com o Projeto de Integração do Rio São Francisco (maior obra de infraestrutura hídrica do país), a transposição do Rio São Francisco é uma iniciativa do Governo Federal. Não é um projeto atual do governo, sendo proposto pela primeira vez em 1847 a Dom Pedro II pelo engenheiro Marcos de Machado.

O projeto de transpor o rio não saiu do papel, assim como as tentativas seguintes nos anos de 1856, 1886, 1889 e nos governos de Itamar Franco e de Fernando Henrique Cardoso. Foi no governo de Luis Inácio Lula da Silva que o projeto de transposição do Rio São Francisco foi colocado em prática, iniciada a transposição, então, ao longo de sua gestão, porém até os dias de hoje, não está finalizada.

  • Principais pontos do projeto:

Visto que a região Nordeste apresenta cerca de 28% da população brasileira, mas apenas 3% da disponibilidade de água, o projeto prevê a ligação entre o Rio São Francisco, que é o maior fornecedor de água da região, a outros rios que compõem bacias do Nordeste Setentrional como a Bacia do Agreste, Bacia do Terra Nova, Bacia do Apodi, entre outras.

Essas bacias não conseguem atender às regiões, visto que sua oferta hídrica é bem menor se comparada à possibilidade de oferta do Rio São Francisco. Sendo assim, o objetivo principal é levar água do São Francisco para regiões que sofrem com a seca extrema no Nordeste.

Segundo o projeto, a ideia é atender cerca de 12 milhões de brasileiros que vivem especialmente no semiárido do Brasil. Está orçado em R$ 8,2 bilhões, empregando mais de 10 mil trabalhadores. A meta era finalizar a transposição em 2015, contudo, as obras encontram-se atrasadas.

O projeto divide-se em dois eixos:

  1. Eixo Norte: a água captada na região de Cabobró, no estado de Pernambuco, sendo levada para os estados do Ceará, Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte. O trecho percorrerá 400 km e operará com vazão contínua de 16,4 metros cúbicos por segundo.

  2. Eixo Leste: a água é captada na região de Floresta, no estado de Pernambuco, sendo levada até o sertão e o agreste do estado, além da Paraíba. O trecho percorrerá 220 quilômetros com vazão contínua de 10 metros cúbicos por segundo.

Os principais pontos positivos do projeto é que além de atender à população das regiões que convive com a falta de água, a obra gera emprego e promoverá o desenvolvimento socioeconômico dessas regiões.

Mas há também os aspectos negativos quanto à transposição, visto que muitos órgãos ambientais e até a própria população acreditam que esse projeto ocasionará diversos problemas ao meio ambiente, como perda de biodiversidade devido ao desmatamento necessário à obra; prejuízos ao solo, já que a obra poderá favorecer processos erosivos; possibilidade de alteração da vazão do rio e também prejudicará a geração de energia por partes das usinas instaladas ao longo do curso do rio.

Importância para o Nordeste brasileiro

O Rio São Francisco é um dos mais importantes cursos d'água do país e o principal responsável pelo desenvolvimento do Nordeste brasileiro, por atender à população que enfrenta dificuldades com a disponibilidade de água e a seca extrema. Desde o período colonial, o rio desempenha um papel importante, interligando as regiões Nordeste e Sudeste e também permitindo a entrada dos colonizadores para o interior do país.

Muitas comunidades instalaram-se às margens dos rios e, desde então, passaram a viver da pesca e da agricultura. Até hoje, muitas famílias dependem dessa atividade para viverem. As cheias do rio nutrem o solo, tornando-o fértil e possibilitando que a agricultura seja desenvolvida. Atualmente, a atividade pesqueira tem diminuído na região, segundo o Ministério do Meio Ambiente. Isso acontece devido à presença das barragens ao longo do rio que influenciam no volume de peixes em determinados lugares.

Muitas famílias vivem da pesca e da agricultura proporcionadas pelo Rio São Francisco.
Muitas famílias vivem da pesca e da agricultura proporcionadas pelo Rio São Francisco.

Esse rio, por ser bastante navegável, favorece o transporte hidroviário de alimentos e minérios. A navegação é um dos fatores que impulsionou o desenvolvimento das comunidades da região.

Curiosidades sobre o Rio São Francisco

  1. É apelidado carinhosamente de Velho Chico e é também conhecido como “rio de integração nacional”.

  2. É também chamado de “Nilo brasileiro”, devido às suas margens férteis propicia ao desenvolvimento da agricultura.

  3. É um dos rios mais citados entre os compositores do país, fazendo parte, por exemplo, de composições de Luiz Gonzaga.

Curtidas

0

por Rafaela

Compartilhe: